O criador de Bob Esponja, Stephen Hillenburg, morreu na última segunda-feira (26), após complicações causadas pela esclerose lateral amiotrófica (popularmente conhecida como “ELA”). Em março de 2017, ele havia sido diagnosticado com a doença degenerativa (via Variety).

Em uma declaração, a Nickelodeon diz: “Nós estamos profundamente tristes com a notícia de que Steve Hillenburg morreu após a batalha com ELA. Ele era um amigo querido e um parceiro criativo de longa data com todos na Nickelodeon, e sentimos muito por toda a família dele. Steve colocava um senso de humor único e inocência em Bob Esponja, que trouxe alegria a gerações de crianças e famílias em todo o mundo. Os personagens únicos dele e o mundo da Fenda do Biquíni servirão de lembrete para o otimismo, amizade, e o ilimitado poder da imaginação.”

Hillenburg começou a carreira em animação em 1987, cursando “Animação Experimental” na California Institute of Arts in Valencia. Em 1º de maio de 1999, o primeiro episódio de Bob Esponja foi ao ar e, em 17 de julho do mesmo ano, a série passou a ser exibido frequentemente.

A equipe do IGN Brasil presta condolências aos amigos e familiares de Steve Hillenburg, e agradece a contribuição dele à indústria de séries animadas e às horas de diversão com os personagens inesquecíveis, frutos da imaginação dele.

 

A causa da morte de Stan Lee, quadrinista famoso da Marvel, foi finalmente revelada. Segundo o site TMZ, que teve acesso à certidão de óbito de Lee,o empresário morreude paradas cardíaca e respiratória.

Além disso, o certificado mostra que ele sofreu de pneumonia por aspiração, uma complicação decorrente de uma grande quantidade de comida, ácido estomacal ou saliva nos pulmões. O quadrinista foi levado às pressas para um hospital em Los Angeles, onde não resistiu.

O criador de heróis comoHomem-Aranha e Hulk faleceu no dia 12 de novembro de 2018, aos 95 anos de idade. Confira, a seguir, os famosos que prestaram suas condolências à Stan Lee.

As chuvas que caíram em Pernambuco nos últimos dias ainda não foram suficientes para modificar a situação dos reservatórios no Estado, especialmente no Agreste, região mais castigada pela seca atualmente.

Jucazinho, no município de Surubim, por exemplo, ainda está com nível de acúmulo de água de 4%, correspondente a 13 milhões de metros cúbicos. A capacidade é de 327 milhões de metros cúbicos de água. Este é o maior reservatório para abastecimento humano do Agreste e atende a 15 municípios da região. 

As chuvas também não afetaram a barragem do Bitury, que continua em situação de pré-colapso. O reservatório fica em Belo Jardim, também no Agreste. 

“As chuvas registradas recentemente não foram suficientes para fazer os rios correrem para as barragens. Se continuar chovendo, aí sim o terreno fica saturado e os rios podem aumentar de volume. É época de chuva no Sertão. No Agreste, a quadra começa em abril. Se vier chuva fora de época, é lucro pra gente, mas é difícil prever”, comenta o diretor Regional do Interior da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), Marconi de Azevedo. 

No Agreste, apenas a barragem de Riacho da Palha, no município de Lagoa de Ouro, captou água. A cidade de 12 mil habitantes estava há um mês em rodízio e, hoje, o abastecimento voltou a ser 24 horas.

Já no Sertão, o destaque é a barragem de Brotas, em Afogados da Ingazeira, que aumentou o volume em 6%. A capacidade total da barragem é de 19,6 milhões de metros cúbicos. Agora está com 64% da sua capacidade.

A situação no Agreste preocupa o setor produtivo, já que a água é essencial para a produção do Polo de Confecções. Na semana passada, os representantes das Câmaras Setoriais de Moda e Produção Têxtil se reuniram com representantes da Compesa. “Pernambuco é o maior produtor de jeans do País. Tem 18% da produção, mas não tem nenhuma fábrica de denim, por causa da situação hídrica. Para levar indústrias de maior porte para o interior do Estado, precisamos de água e energia”, comenta o presidente da AD Diper, Antônio Xavier, que acompanhou a reunião. Interesse para investir por parte das empresas existe. Ele cita a chegada da Pernambuco Têxtil, que vai investir R$ 75,3 milhões na região e gerar 290 vagas para produzir o denim. 

A Compesa garante que em 24 meses, no máximo, será possível regularizar o abastecimento na região. É o prazo previsto para a operação ao menos de parte da Adutora do Agreste, que deveria ter ficado pronta em 2015, mas ainda se arrasta e depende de recursos do governo federal. Enquanto isso, outras três obras têm o objetivo de amenizar a ausência da Adutora do Agreste, cuja função é distribuir água da Transposição do Rio São Francisco para os municípios. São elas: a Adutora do Moxotó, que está em fase de testes; a Adutora do Alto Capibaribe, que começou a ser construída recentemente e só deve ser concluída no fim de 2019; e a Adutora do Serro Azul, também em obras. 

“Mesmo se as barragens secarem, as cidades vão continuar a ser abastecidas com água do São Francisco. As obras vão diminuir totalmente a dependência de carros-pipa”, comenta Marconi de Azevedo.

Fonte: www.penoticias.com.br

Interessados em adquirir um veículo conservado ou em estado de sucata podem se programar para participar do 17º leilão do Departamento Estadual de Trânsito de Pernambuco – DETRAN-PE, que acontece na próxima sexta-feira (30), às 9h, no pátio da empresa Coliseum, localizada em Vitória de Santo Antão, às margens da Rodovia Luiz Gonzaga, a BR 232.

Serão 457 veículos, entre carros e motos, com lances cujo valor mínimo gira em torno de R$ 100,00. Os interessados podem conferir os veículos antes da data do leilão, entre os dias 28 e 29 de novembro, das 8h às 16h, no mesmo local onde ocorrerá o leilão.

O Edital, contendo as informações gerais sobre o leilão, a exemplo das normas, documentação exigida e taxas de administração a serem pagas pelos arrematantes, pode ser acessado no site do DETRAN:www.detran.pe.gov.br e também no site da empresa Coliseum, www.coliseumleiloes.com.br. Pode também ser retirados gratuitamente no escritório do Coliseum Leilões em Vitória de Santo Antão.

De acordo com o Diretor Presidente do DETRAN, Charles Ribeiro, os leilões inserem o Órgão na agenda ambiental ao colaborarem para a reciclagem automotiva e para a retirada de veículos abandonados nas ruas. “O DETRAN cumpre o que está previsto no Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Após 90 dias de apreensão, os veículos não reclamados devem ser leiloados”.

Ribeiro informa ainda que, a pessoa que arrematar algum dos veículos deverá requerer e pagar pela expedição da 2º via do Certificado de Registro do Veículo (CRV). Cabe a ela também arcar com o valor dos serviços de Baixa do Gravame dentre outras taxas como a de Licenciamento, a de transferência do veículo e a taxa de Emplacamento. O dinheiro arrecadado no leilão é usado para pagar as dívidas dos veículos apreendidos. Quitados os débitos, o resíduo restante – caso haja – volta para o proprietário anterior do veículo.

Serviço:

17º Leilão 2018 de veículos apreendidos pelo DETRAN-PE

Quando: 30 de novembro de 2018, às 9h

Onde: sede da Coliseum Leilões, em Vitória de Santo Antão, Rodovia Luiz Gonzaga, BR-232-Km 41- Distrito Ind. Vitória Sto. Antão/PE. 

Visitação prévia

Quando: 28 (8h às 16h) e 29 (8h às 16h) de novembro de 2018

Onde: sede da Coliseum Leilões, em Vitória de Santo Antão, Rodovia Luiz Gonzaga, BR-232-Km 41- Distrito Ind. Vitória Sto. Antão/PE.

Um homem recebeu um tiro no pulso no corredor de um shopping em Nova Jersey

Onze pessoas foram assassinadas e 116 feridas durante a Black Friday dos EUA desde 2006. Foto: Youtube/ Reprodução.

Um homem foi atingido por um tiro na mão após uma briga em um shopping lotado de Nova Jersey, informou a polícia, o que provocou cenas de pânico em plena ‘Black Friday’. A motivação do ataque não foi determinada, pois a vítima se negou a cooperar com as autoridades.Com isso, a polícia ordenou a evacuação do shopping Jersey Gardens após a confusão.
Vídeos compartilhados nas redes sociais mostram os compradores procurando refúgio. Algumas pessoas escreveram no Twitter que acreditaram em um ataque por parte de um atirador.
Durante o dia, mais de 25.000 clientes passaram pelo centro comercial. “Foi um ataque isolado”, afirmou à AFP o tenente Todd Kelly, do Departamento de Polícia de Elizabeth. “Um homem recebeu um tiro no pulso no corredor do shopping Jersey Gardens, entre as lojas  Tommy Hilfiger e Marshalls”, completou.
“Nenhum suspeito foi detido e a vítima não está cooperando para identificá-lo. O shopping está seguro e vazio no momento”, disse Kelly.
As brigas entre compradores que buscam ofertas na “Black Friday” muitas vezes terminam com atos violentos. Onze pessoas foram assassinadas e 116 feridas durante este dia desde 2006, de acordo com o site Blackfridaydeathcount.com.
Monica Yanakiew – Repórter da Agência Brasil

Agência Brasil

O submarino argentino ARA San Juan foi encontrado um ano e um dia após ter desaparecido, no Atlântico Sul, com 44 pessoas a bordo.

Marinha mantém busca do submarino argentino ARA San Juan, mas suspende resgate

 

O submarino ARA San Juan, que desapareceu há um ano e um dia – Arquivo/ Divulgação/Marinha da Argentina

Os restos da embarcação foram achados por uma empresa privada norte-americana na sexta-feira (16), mas o Ministério da Defesa da Argentina só confirmou a notícia na madrugada deste sábado (17), depois de informar os parentes dos tripulantes.

Na quinta-feira (15), as famílias dos 44 desaparecidos realizaram um ato para marcar o primeiro aniversario do naufrágio e cobrar respostas das autoridades. “Quanto lamento que nada que se diga possa acalmar a dor dos familiares e amigos aqui presentes”, afirmou o presidente da Argentina, Mauricio Macri, ao prometer continuar as buscas.

No dia seguinte, a empresa norte-americana Ocean Infinity encontrou os restos a 800 metros de profundidade e a 600 metros da cidade de Comodoro Rivadavia, na Patagônia argentina.

O ARA San Juan desapareceu durante uma viagem de Ushuaia, no extremo sul do país, ao balneário de Mar del Plata, a 300 quilômetros da capital, Buenos Aires. O último contato da tripulação foi feito no dia 15 de novembro do ano passado.

Uma megaoperação internacional, que contou também com a participação do Brasil, foi montada para procurar o submarino. Duas semanas depois, a Marinha anunciou que já não havia esperanças de encontrar sobreviventes.

O governo argentino contratou a Ocean Infinity para continuar as buscas, que começaram em setembro. Durante dois meses, 40 tripulantes, a bordo do navio Seabed Constructor, rastrearam o fundo do mar. O submarino foi encontrado horas antes da empresa suspender a operação.

Muitos parentes dos tripulantes do ARA San Juan receberam a notícia em Mar del Plata, onde tinham participado do ato que marcou o primeiro ano para lembrar o primeiro ano do desaparecimento do submarino.

Agora o governo argentino terá que decidir se vai resgatar o casco do ARA San Juan, uma operação cara. A Ocean Infinity cobrou US$ 7,5 milhões somente para encontrar o submarino.

A vontade de exercer a medicina no Brasil, depois de passar pela faculdade no exterior, movimenta mais de 900 médicos na segunda etapa do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeira (Revalida) neste fim de semana.

A exigência é feita tanto para médicos brasileiros que estudaram medicina no exterior quanto para os estrangeiros que querem trabalhar no Brasil. Entre os candidatos que aguardavam o início das provas em Brasília, estava o cubano Pierre Oliveira*.

Ele contou que abandonou o Mais Médicos há dois anos, por considerar injustas as condições do programa. Casado há 4 anos com uma brasileira e com dois filhos, Oliveira trabalhou em uma cidade do interior do Mato Grosso pelo programa. Ele contou que desde que deixou o Mais Médicos tem se dedicado a estudar para o Revalida.

O professor cubano Juan Martin* aguardava a filha na saída do local de provas. A filha, de 26 anos, estudou medicina em Cuba. Ele considera uma forma de discriminação exigir revalidação do diploma de cubanos para participar do Mais Médicos. “Cuba tem muito bons profissionais. Se não for exigida a validação do diploma dos médicos de todas as nacionalidades, é uma gravíssima discriminação com os cubanos”.

 

Médicos estrangeiros e brasileiros que se graduaram em outro país, fazem a segunda etapa da edição 2017 do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeira (Revalida).

 

Médicos estrangeiros e brasileiros que se graduaram em outro países fazem a segunda etapa da edição 2017 do Revalida – Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Exigências

Martin informou que chegou no Brasil há 21 anos, também por meio de convênio de trabalho. “A situação era pior que a do Mais Médicos. Tinha de entregar 75% para o governo cubano e os 25% restantes eram para pagar aluguel, comprar comida e enviar dinheiro para a família”, contou.

Após cinco anos distante da mulher cubana, ele acabou se separando. “Não era permitido sair do país com a família.” Martin se casou com uma brasileira e não voltou mais para Cuba. Faz apenas visitas esporádicas ao país. “A separação da família não é certa, mas quem vem para o Brasil está ciente das condições. Ninguém vem obrigado. Os médicos cubanos estão em cerca de 66 países em programas como o do Brasil e só o presidente brasileiro reclama”, criticou.

No último dia 14, o governo de Cuba informou que deixará de fazer parte do programa Mais Médicos. A justificativa do Ministério da Saúde cubano é que as exigências feitas pelo governo eleito são “inaceitáveis” e “violam” acordos anteriores. O presidente eleito Jair Bolsonaro disse, na sua conta do Twitter, que a permanência dos cubanos está condicionada à realização do Revalida pelos profissionais.

“Condicionamos a continuidade do programa Mais Médicos à aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos, hoje maior parte destinados à ditadura, e a liberdade para trazerem suas famílias. Infelizmente, Cuba não aceitou”, reafirmou o presidente eleito em sua rede social no dia 14.

“Além de explorar seus cidadãos ao não pagar integralmente os salários dos profissionais, a ditadura cubana demonstra grande irresponsabilidade ao desconsiderar os impactos negativos na vida e na saúde dos brasileiros e na integridade dos cubanos”, publicou Bolsonaro.

*Os entrevistados preferiram usar nomes fictícios. 


Moro é exonerado e não pode ser mais investigado por atuação política pelo CNJ

 

 

Foto: Lula Marques/Agência PT

O magistrado era investigado por aceitar ministério no próximo governo e liberar áudios de telefonema entre os ex-presidentes petistas

Por Caroline Oliveira

Sergio Moro não é mais juiz. O responsável pela condenação do ex-presidente Lula pediu exoneração de seu cargo nesta sexta-feira, 16 de novembro. A solicitação foi aceita pelo presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) desembargador federal Thompson Flores.

O magistrado abriu mão do cargo em Curitiba para ser ministro da Justiça de Jair Bolsonaro (PSL). Paralelamente, a partir da publicação da exoneração, Moro deixa de ser investigado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) por possível atuação política ao aceitar ministério no próximo governo e ao liberar áudios de telefonema entre os ex-presidentes petistas Dilma Rousseff e Lula. Exonerado, o CNJ perde a competência de investigação, cuja abrangência se dá somente sobre membros do Poder Judiciário brasileiro. No Ministério, Moro passa a fazer parte do Poder Executivo.

Ele nega que suas atuações tenham cunho político. Em 2016, afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo que jamais entraria para a política. No começo de outubro deste ano, disse que exerceria uma missão técnica, reforçando um possível distanciamento à esfera política.

De acordo com o tribunal de Curitiba, Moro escreveu, ao pedir exoneração, que “houve quem reclamasse que eu, mesmo em férias, afastado da jurisdição e sem assumir cargo executivo, não poderia sequer participar do planejamento de ações do futuro governo”. Para ele, “embora a permanência na magistratura fosse relevante ao ora subscritor por permitir que seus dependentes continuassem a usufruir de cobertura previdenciária integral no caso de algum infortúnio, especialmente em contexto no qual há ameaças, não pretendo dar azo a controvérsias artificiais, já que o foco é organizar a transição e as futuras ações do Ministério da Justiça”.