Irmã lembra com saudade daquela conquista emblemática em 1988

Rafael Franco, O Estado de S.Paulo

30 Outubro 2018 | 05h00

Dia 30 de outubro de 1988, circuito de Suzuka. Ayrton Senna tem a sua McLaren mais uma vez posicionada na ponta do grid de largada, mas vê o motor do carro apagar e cai logo de cara para a 14ª posição. O que se desenhava como uma decepção, porém, foi transformado pelo brasileiro em uma grande corrida de recuperação e, já na 27ª volta das 51 daquele GP do Japão, ultrapassou o rival e companheiro de equipe, Alain Prost, para assumir a liderança e não mais perdê-la até a bandeirada final. A heroica vitória garantiu ao saudoso ídolo o primeiro dos seus três títulos na Fórmula 1.

Trinta anos depois daquela emblemática conquista, a família Senna ainda exalta o grande legado deixado pelo piloto, morto de forma trágica em 1994 no GP de San Marino, dentro e fora das pistas. E a própria imagem inabalável de Ayrton, sempre atrelada a uma lembrança de quem se consagrou como um dos maiores nomes da história do automobilismo e do esporte mundial, continua colhendo frutos.

S11 ARQUIVO 1990 ECONOMIA FORMULA 1 Ayrton Senna era bicampeão mundial de F-1
Foi no GP do Japão que o brasileiro Ayrton Senna sagrou-se bicampeão mundial de Fórmula 1. O curioso é que ele forçou colisão com Alain Prost para que os dois abandonassem a prova. Com isso, Senna já tinha pontos suficientes para levar o campeonato. FOTO NIGEL SMUCKATELLI

Primeiro título de Ayrton Senna na Fórmula 1 completa 30 anos

À reportagem do Estado, a irmã de Ayrton, Viviane Senna, qualificou a entidade que leva o nome do piloto e é presidida por ela como o maior presente para as gerações futuras que se inspiraram nos feitos do herói. Entre outras coisas, Viviane também lembrou com saudade daquela conquista emblemática que completa 30 anos nesta terça-feira. Confira na entrevista a seguir:

Como irmã do Ayrton, que viveu intensamente e de maneira próxima aquela conquista de 1988, quais são as principais lembranças que a senhora destacaria daquele título?

Eu lembro que o Ayrton viveu intensamente aquela temporada do primeiro título dele na Fórmula 1. As vitórias foram muito marcantes, principalmente a última em Suzuka, quando ele precisou ultrapassar mais da metade dos adversários após o problema que teve na largada do GP do Japão. Ele não desistiu, ultrapassou um por um, até superar o Alain Prost e vencer. Essa perseverança sempre foi algo muito marcante nas conquistas do Ayrton.

O Senna era uma pessoa muito humana e se tornou um grande ídolo que passou a ser venerado pelo público do Japão, que é apaixonado pelo automobilismo. O fato de ter conquistado o primeiro título da F-1 lá foi algo especial para a família?

O Ayrton sempre teve um carinho muito grandes dos fãs japoneses. Ele é considerado no Japão como um herói, como um samurai. A McLaren era equipada pelos motores Honda entre 1988 e 1992, então haviam muitos japoneses trabalhando na equipe e o público torcia realmente por ele. As conquistas do Senna foram importantes para que ele se tornasse tão especial para japoneses e a própria personalidade do Ayrton tinha relação com eles, já que o Ayrton sempre foi bastante profissional, dedicado, respeitoso e atencioso com todos. Com certeza foi um ótimo palco para o primeiro título mundial dele.

Ao rever as imagens daquela conquista de 1988, 30 anos depois, a senhora ainda se emociona? Nestas datas comemorativas de feitos do Ayrton, fica ainda mais difícil lidar com a ausência dele?

Trabalhar com o legado do Ayrton é sempre emocionante. As conquistas nas pistas e fora delas marcaram nossa família e todos os brasileiros. A saudade sempre estará presente em todos nós, então essas datas especiais de títulos, vitórias e outras conquistas ajudam a trazer de volta estas ótimas memórias.

Há alguma história curiosa ou fatos marcantes que a senhora possa destacar daquela conquista do Ayrton em 1988? A senhora lembra quais foram as primeiras palavras que ele lhe disse depois daquele título?

Uma história curiosa de 1988 aconteceu no treino classificatório do GP de Mônaco. Ele superou o Alain Prost por quase um segundo e meio no treino classificatório, uma eternidade na Fórmula 1. Nesse dia ele disse ter se sentido muito perto do limite, como se estivesse pilotando em outra dimensão. Ele falou que tinha atingido o máximo que podia com o carro e que nunca mais teve aquela sensação.

26

Ayrton Senna do Brasil

Trinta anos após aquele título e 24 anos após a morte do Ayrton, a condição de grande ídolo na história do esporte segue sendo uma grande referência de história de sucesso. Como a senhora poderia qualificar este legado imenso que ele deixou como pessoa e como piloto para as gerações que vieram depois?

O Ayrton nunca se conformou com a realidade de falta de oportunidades que assola a maior parte do povo brasileiro, e sempre desejou fazer algo efetivo e eficaz para mudar essa realidade. Desse sonho nasceu o Instituto Ayrton Senna, que certamente é o maior legado do Ayrton fora das pistas. Afinal, como ele mesmo dizia, não podemos nos conformar de viver em uma ilha isolada sem olhar o mundo que está ao nosso redor. Além disso, é incrível ver o legado de valores que ele deixou. Ayrton nunca ganhou com o famoso “jeitinho brasileiro”, pois sabia que, para ser vitorioso de verdade, era necessário perseverança, foco, coragem, determinação e muito trabalho. Foi assim que ele se tornou um dos maiores ídolos da nossa história.

Como foi ver o Corinthians jogando recentemente com uma camisa que homenageou o Ayrton e trouxe a assinatura dele? Ele era realmente um grande torcedor corintiano ou não sofria tanto assim com as derrotas do time em sua época de piloto?

Foi uma linda homenagem que o Corinthians e a Nike fizeram para o Ayrton. Todas as peças da coleção ficaram muito bonitas, então ficamos bastante honrados. O Ayrton sempre teve o time do coração dele como acontece com milhões de brasileiros, mas a rotina de viagens dele pelo mundo do automobilismo acabava dificultando a proximidade dele com o futebol. Apesar disso, ele aproveitava para bater uma bola de vez em quando com os próprios pilotos.

Se o Ayrton ainda estivesse vivo, como a senhora acha que ele enxergaria a atual realidade do Brasil neste período tão tenso e de polaridades vivido no País?

Ayrton sempre foi uma pessoa que se preocupava muito com o País. Se estivesse vivo, certamente estaria engajado conosco nessa luta por um país melhor para todos.

A senhora acredita que hoje o Brasil é carente de ídolos da dimensão do Ayrton? Depois dele, nomes como o Guga no tênis, o Ronaldo no futebol e o Giba no vôlei se consagraram como ídolos nacionais, mas hoje o Neymar, por exemplo, parece longe de possuir o prestígio e o carisma que todos estes nomes conseguiram ter…

Acredito que compararmos ídolos do esporte é algo muito difícil de se fazer e com certeza deixaríamos de ser justos com algum atleta. Dentro do automobilismo já é difícil de compararmos, imagine então sendo atletas de modalidades diferentes. Todo esportista tem suas próprias convicções, sua maneira de pensar, mas é o talento e a força de vontade que fazem o esportista virar referência para os fãs. Por isso todos esses atletas obtiveram êxito em suas modalidades.

Como a senhora vê o fato de que o Instituto Ayrton Senna beneficia mais de 1,5 milhão de crianças e jovens de cerca de 600 cidades brasileiras? A senhora acredita que o legado da educação talvez seja o mais importante do Senna para o País?

Certamente o Instituto Ayrton Senna é o maior legado de Ayrton Senna, é o grande projeto que ele sonhou realizar e hoje é uma realidade, levando educação de qualidade para todas as partes do Brasil. O Ayrton, no início de 1994, já havia conversado comigo e dito que desejava fazer algo estruturado pelo país, e pediu minha ajuda. Infelizmente, não conseguimos ter uma segunda conversa sobre o assunto, mas levamos em frente esse sonho e fundamos em Novembro do mesmo ano o Instituto Ayrton Senna. Ao longo desses 24 anos de história, já estivemos presentes em mais de duas mil cidades, capacitamos mais de 220 mil educadores e, com isso, levamos ensino público de qualidade a mais de 22 milhões de estudantes. Sempre penso que tudo isso deixaria Ayrton bastante orgulhoso, mas, como perfeccionista que ele era, saberia que ainda é preciso fazer muito mais, e não podemos descansar enquanto não tivermos 100% das nossas crianças e dos nossos jovens com acesso a uma educação plena e de qualidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *